Em maior ou menor grau, os cuidados com os cabelos fazem parte da rotina de homens e mulheres. Elas, especialmente, ainda são maioria na dedicação de horas diárias e semanais para manter os fios saudáveis e bonitos, e quando sinais de perda de saúde nos fios e queda são identificados, a preocupação é instantânea. Ainda assim, é notável o aumento recente nos diagnósticos de calvície em mulheres, um problema mais frequentemente associado ao público masculino.

Perda de vitalidade, enfraquecimento e, principalmente, queda dos fios – algumas das queixas mais frequentes entre o público feminino – geram uma série de insatisfações que ultrapassam apenas o caráter estético – afinal, sabe-se que os cabelos estão diretamente relacionados à autoestima da mulher, na medida em que contribuem fortemente na imagem pessoal.

Mas como identificar se a queda de cabelo se trata, realmente, de calvície? E, principalmente, o que pode justificar a frequência de casos de calvície em mulheres?

Confira algumas informações importantes a seguir.

 

Identificando a calvície em mulheres

O primeiro ponto a destacar a respeito da calvície em mulheres é que ela se refere a um distúrbio específico, a alopecia androgenética, e não necessariamente a toda e qualquer queda de cabelo excessiva. Como o nome indica, a alopecia androgenética é uma forma de queda de cabelos determinada geneticamente, que pode se apresentar em diferentes fases da vida, a depender de diversos fatores.

Os primeiros sinais da calvície em mulheres são percebidos com o afinamento progressivo dos fios até a rarefação dos mesmos, resultando na perda de cabelo em áreas do couro cabeludo. Nos homens, é mais comum que as falhas aconteçam no topo da cabeça ou próximas da testa; nas mulheres, a região central da cabeça costuma ser a mais prejudicada.

Mas apesar do fator genético ser relevante, a calvície deve ser entendida em um ponto de vista bem mais amplo. Isso porque há uma série de fatores desencadeadores, capazes de acelerar o processo de queda dos fios. Eles ajudam, inclusive, a compreender como e por que a calvície tem afetado cada vez mais mulheres.

 

Calvície, hábitos e estilo de vida

Como você descreveria o dia a dia da mulher moderna? Com certeza, há alguns pontos em comum que precisam ser listados, como uma enorme carga de responsabilidades e acúmulo de tarefas, que resultam em rotinas corridas, estresse, má alimentação…

O que poucos percebem é que há possíveis riscos à saúde emocional e física ocasionados por toda a tensão de tais rotinas, e a saúde dos cabelos também pode ser afetada e indicar sinais de alerta. Quando a queda de cabelo excessiva é identificada, o correto é buscar um diagnóstico que considere todos os diferentes fatores que podem estar relacionados, como:

– distúrbios hormonais;

– estresse;

– deficiências nutricionais, seja por má alimentação ou dietas muito restritivas;

– doenças autoimunes ou processos inflamatórios/infecciosos;

– uso de determinados medicamentos;

– excesso de produtos químicos ou tratamentos invasivos no couro cabeludo.

Sim! Há uma enorme lista a analisar com bastante atenção para identificar a calvície em mulheres e, principalmente, partir para um tratamento ideal para cada caso.

Com toda a carga a que estão submetidas no dia a dia, o que é bastante comum no caso das mulheres é a conjunção de alguns desses diferentes fatores, que, associados à predisposição genética, resultam no aparecimento dos primeiros sinais de calvície. Quanto mais cedo esse processo for identificado, melhor!

 

Conte com o auxílio da tricologia!

A queda de cabelos merece, portanto, abordagens atenciosas, já que identificar o que está ocasionando o problema será determinante para saber como solucioná-lo da melhor maneira.

Além de compreender a importância da agilidade na busca pelo diagnóstico – já falamos sobre a importância do diagnóstico precoce aqui –, o paciente deve estar ciente de que a forma como a saúde dos cabelos é influenciada por diferentes fatores determina, também, a importância de tratamentos enxergados de forma ampla e completa.

O mais indicado é buscar, inicialmente, uma consulta com profissionais especializados nas doenças do cabelo e couro cabeludo, o tricologista, que utilizará diferentes tecnologias para analisar os fios e identificar os melhores tratamentos para cada caso.

Por meio da tricologia, é possível realizar tratamentos de cunho estético que promovem de diferentes maneiras a restauração capilar, utilizando a tecnologia ideal de acordo com a necessidade identificada anteriormente.

Mas vale lembrar que, em todo caso, o acompanhamento será feito de maneira integral, por meio de encaminhamento a todos os profissionais necessários e da indicação de mudanças nos hábitos e no estilo de vida, em busca de maior equilíbrio na saúde em geral. Essa é a abordagem ideal para enfrentar a calvície em mulheres!